Nossa investigação mostrou que a Tiger Temple Co. Ltd. mudou seu nome para Golden Tiger (Thailand) Co. Ltd. e já começou a construir uma nova e preocupante atração turística na província de Kanchanaburi, na Tailândia.

Operado pela empresa, o Templo do Tigre foi fechado no ano passado, após uma batida policial descobrir dezenas de filhotes mortos e mais centenas de pedaços de tigres que eram mantidos em refrigeradores. A atração ficava no território do templo budista Wat Pa Luangta Maha Bua Yannasampanno.

Os 147 tigres que foram confiscados no local continuam sob os cuidados do Departamento Nacional de Conservação de Parques, Fauna Silvestre e Flora (DNP) da Tailândia.

A Golden Tiger Co Ltd. já conseguiu uma licença provisória, que foi transferida do Tiger Temple Co. Ltd., para atuar como zoológico.

O tempo está acabando

Para obter uma licença plena, a Golden Tiger Co. Ltd. precisa atender 11 condições especificadas pelo governo tailandês nos próximos seis meses. Isso inclui fornecer recintos considerados grandes o suficiente para os tigres e tratamento veterinário.

O problema é que essas condições não proíbem a reprodução de tigres em cativeiro e não impede interações cruéis entre turistas e os animais.

Precisamos agir antes que as autoridades da Tailândia concedam a licença plena de zoológico para a Golden Tiger Co Ltd. É urgente. 

Estamos extremamente preocupados que a abertura dessa nova atração turística coloque os tigres mais uma vez em risco de tráfico ilegal, reprodução forçada para lucro e os exponha a crueldades horríveis.

Assine agora a nossa petição para proteger os tigres.

Turista tira foto com um filhote no antigo Templo do Tigre

Exija que as autoridades da Tailândia acertem

Você pode ajudar a mostrar para as autoridades da Tailândia que a crueldade contra tigres não é aceitável.

Assinando a petição, você nos ajuda a convencer o Departamento Nacional de Conservação de Parques, Fauna Silvestre e Flora (DNP) a fazer a coisa certa e não conceda essa licença.  

Precisamos do maior número de assinaturas possível para que o DNP nos ouça e para que possamos impedir a construção de mais uma atração cruel com animais.

Assine já a petição para as autoridades da Tailândia

Para proteger os tigres, o Departamento Nacional de Conservação de Parques, Fauna Silvestre e Flora (DNP) da Tailândia não deve conceder a licença plena de zoológico ao Golden Tiger Co. Ltd., a empresa por trás do cruel Templo do Tigre.

O Templo do Tigre foi fechado por um motivo. Não permita que mais tigres sejam colocados em risco em uma nova atração com animais silvestres, que é operada pela mesma empresa.

Precisamos proteger os tigres. Eles são animais silvestres, não entretenimento. 

O horror no Templo do Tigre

Após anos de denúncias contra o Templo do Tigre, acusando-o de reprodução ilegal e tráfico de animais ou de partes dos corpos deles, a propriedade foi invadida por policiais em maio de 2016.

As cenas da batida policial revelaram o horror: os oficiais descobriram filhotes mortos, mantidos dentro de congeladores, junto com peles de tigres adultos e pingentes feitos com dentes.

"Essas atrações turísticas precisam ser cortadas pela raiz, porque têm relação direta com o tráfico de animais silvestres" – declarou o nosso consultor sênior em veterinária e vida silvestre, Dr. Jan Schmidt-Burbach.

Explorados para entreter turistas

Se a Golden Tiger Co. Ltd. receber a licença plena para funcionar como zoológico, os tigres e outros animais correm o risco de serem forçados a se reproduzir e expostos a uma crueldade terrível, sendo obrigados a posar para os turistas.  

Faça já a sua parte. Diga às autoridades da Tailândia que os tigres são animais silvestres, não entretenimento. A Golden Tiger Co. Ltd. não pode receber uma licença plena, temos que proteger os tigres.

*Observação: algumas fotos desta página ou relacionadas a esta campanha não se limitam a animais do antigo Templo do Tigre, do Golden Tiger Co. Ltd. ou de outros locais relacionados à empresa. As fotos ilustram as condições cruéis às quais os animais silvestres são submetidos em atrações turísticas voltados ao entretenimento.

Compartilhe

WhatsApp