Conheça os ganhadores do Prêmio "Cidade Amiga dos Animais"

1º lugar - Bogotá, Colômbia

Responsável: Clara Lucía Sandoval Moreno

Bogotá está realizando um trabalho de destaque pelo bem-estar de seus cães e gatos. São milhares de animais beneficiados por mais de 10 campanhas e diversos programas educacionais sobre guarda responsável.

A cidade conta com uma equipe treinada para receber e atuar em casos de maus-tratos - o esquadrão anti-crueldade - e treina seus policiais para lidar com situações desse tipo.

Outro destaque é o trabalho feito com animais de abrigos, que conta com o apoio de etologistas (especialistas em comportamento animal). Os animais são avaliados assim que chegam ao abrigo, o que ajuda a encontrar a melhor família para cada um deles.

Bogotá também lida com casos de acumuladores de animais. Um grupo interprofissional, que inclui psicológos, visita os locais onde o problema existe e oferece apoio às pessoas e aos animais.

O envolvimento da comunidade é uma preocupação para a cidade. Além de consultar informações sobre guarda responsável nas redes sociais da prefeitura, os cidadãos podem colaborar com o bem-estar dos animais usando o aplicativo Distrito Appinmal e são incentivados a cuidar dos animais sem tutores por meio do programa Comunidade Zoolidária.

Bogotá estabelece convênios e parcerias com pessoas, instituições e organizações não governamentais para realizar ações em prol dos cães e gatos da cidade.

 

2º lugar - Conselherio Lafaiete, Minas Gerais

Responsável: Juliana Villela de Oliveira

Desde 2006, Conselheiro Lafaiete tem se destacado em seu trabalho de manejo de populações de cães e gatos. Naquele ano, a prefeitura promulgou uma lei de proteção animal que permitiu muitos avanços para os animais da cidade.

Em parceria com a organização não governamental ALPA, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Conselheiro Lafaiete realiza campanhas de vacinação, adoção e lar transitório e identificação de animais com microchips, além de eventos sobre bem-estar animal, guarda responsável e controle de zoonoses. Com ações coordenadas, foi possível controlar o avanço de doenças como esporotricose e da leishmaniose visceral canina na cidade.

O CCZ da cidade também é responsável por ações de esterilização e resgate de animais em situação de risco, vítimas de maus-tratos e aqueles com histórico de agressão a humanos, que passam por um programa de reabilitação para que possam ser adotados.

Em média, setenta animais são esterilizados semanalmente no município, atingindo mais de 3.000 castrações anuais, o que representa 10% da população de cães e gatos. Graças a esse controle reprodutivo, Conselheiro Lafaiete registra, desde 2012, uma redução de 60% das solicitações de recolhimento de fêmeas prenhes e ninhadas nas áreas urbanas e de 35% na zona urbana.

A conscientização da população contra o abandono de animais e a educação em guarda responsável é feita por meio de varias ações coordenadas, como um programa de rádio, campanhas de televisão e projetos como o “Veterinário Mirim”, “Quem Ama Castra”, “Animal Sente” e “Escola no Parque”. O município também desenvolve ações em uma comunidade Quilombola, onde realiza programas de castração e vacinação anuais.

Na cidade mineira, os cães comunitários são reconhecidos, identificados e protegidos pela legislação municipal e fazem parte do cotidiano da cidade.

 

3º lugar - São Paulo, São Paulo

Responsável: Analy Xavier

São Paulo é um exemplo de uma grande metrópole que fez grandes avanços no manejo de populações de cães e gatos. Em parceria com clínicas veterinárias credenciadas, organizações não governamentais, organizações da sociedade civil, escolas e unidades móveis de esterilização e educação em saúde, somada à estratégias multidisciplinares e novos protocolos de atuação, a capital paulista têm desenvolvido um trabalho pautado em politicas públicas permanentes e sustentáveis.

Em 2001, após décadas de uso de métodos ineficazes e cruéis para controle de animais, a cidade implementou o Programa Permanente de Controle Reprodutivo de Cães e Gatos (PPCRCG), que esteriliza gratuitamente cerca de 100.000 animais todos os anos. A prefeitura também oferece esterilização cirúrgica para animais tutelados por protetores independentes cadastrados no “Programa de Apoio ao Protetor Independente”, sem limite do número de procedimentos.

Os tutores de cães e gatos contam, ainda, com o atendimento clínico e cirúrgico gratuito em dois hospitais veterinários públicos (com previsão de ampliação do serviço) e cinco unidades móveis de esterilização cirúrgica. O serviço é destinado à população carente da cidade.

Os animais comunitários estão protegidos na cidade desde 2008 e programas de controle da população de gatos ferais, assim como monitoramento e controle dos animais em áreas de interesse à saúde, foram implementados.

Em relação à comunidade, o governo paulistano é pioneiro em questões como guarda responsável na educação infantil, tendo implementado o Projeto Escola Amiga dos Animais. Oferece, também, atendimento a acumuladores de animais por uma equipe interprofissional composta por psicólogos, assistentes sociais, veterinários e outros profissionais.

Nas áreas de preservação ambiental e indígenas, a prefeitura realiza o monitoramento, controle reprodutivo de animais, programas de saúde veterinária preventiva e cuidados sanitários dos animais.