Conheça Irma, a gatinha ruiva que sobreviveu ao furacão em Barbuda

19 de setembro de 2017

Após a passagem da tempestade Irma, nossa equipe encontrou um rastro de destruição e morte na ilha de Barbuda, mas essa gatinha ruiva nos encheu de esperança

Nossa equipe de resgate conseguiu chegar em Barbuda, no Caribe, para socorrer os animais que mais precisam de ajuda.

Os moradores da região tiveram que deixar a ilha às pressas e muitos acabaram deixando os seus animais para trás. Outros tiveram que escolher entre abandonar seus animais ou arriscar suas próprias vidas ou as de seus familiares. 

Os animais que sobreviveram ao desastre violento agora estão com medo, feridos e correndo risco de contrair doenças. Eles vagam pela ilha devastada – confusos, famintos e machucados.

Ao andar pelas ruas de Barbuda, nossos veterinários são seguidos pelos olhares de gatos assustados, que espiam de dentro dos seus esconderijos. Eles têm receio de ser atacados pelos cães, que estão formando matilhas na tentativa de caçar e tentar sobreviver.

Uma conexão especial

Em meio à toda destruição, a equipe da Proteção Animal Mundial encontrou uma gatinha filhote sem a sua mãe. Nossos veterinários estimam que ela tenha entre 2 ou 3 semanas de vida. O seu resgate nos encheu de esperança e nós a apelidamos de Irma – por ter sobrevivido ao furacão.

A pequena Irma logo encontrou conforto nos braços de um cabo da polícia militar, chamado Williams. 

O cabo Williams e a gatinha Irma, escalando em seu ombro.

O cabo Williams acabou criando uma conexão especial com Irma e se tornou o seu guardião "extra-oficial". Ele ficou com ela até a hora em que nossa equipe a levou para o barco dos nossos parceiros da Humane Society de Antígua e Barbuda.

A veterinária local Nneka Hull, com quem estamos trabalhando, também encontrou uma gata pequena ruiva.

A gatinha parecia bem-cuidada e, sem dúvidas, teve uma família antes do desastre. Nós a apelidamos de "Tigger" – um nome temporário até encontrarmos seus tutores. A Tigger estava em risco na rua, onde os animais cada vez disputam mais para sobreviver entre os destroços. Por isso, a levamos junto com Irma no barco para Antígua.

A veterinária Nneka Hull James segura a gatinha Tigger, em Barbuda.

A despedida foi um momento difícil para o cabo Williams.

"Sem lágrimas agora," ele tentou se conter, “a Irma está indo para um bom lar."

Para receber novidades sobre Irma e Tigger, siga a Proteção Animal Mundial nas redes sociais.

O relógio está correndo – ajude os animais

Provavelmente Irma e Tigger vão ter um final feliz. Mas inúmeros outros animais em Barbuda continuam feridos, correndo risco de contrair doenças ou atacando uns aos outros para sobreviver na ilha devastada.

Junto com a Humane Society e as autoridades de Antígua e Barbuda, estamos trabalhando sem descanso para diminuir o sofrimento e a fome desses animais.

Mas não podemos fazer isso sem o seu apoio:

Aviso importante: sua doação será processada pelo escritório da World Animal Protection nos Estados Unidos e cobrada em dólares americanos. O valor final está sujeito à flutuação da taxa cambial vigente no dia de liquidação da fatura do cartão de crédito e às políticas da empresa administradora de seu cartão de crédito. Sobre o valor doado incidirá, ainda, uma taxa de 6,38% de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), segundo normativa brasileira. A World Animal Protection é uma organização registrada no Brasil sob CNPJ 01.004.691/0001-64 e nos Estados Unidos com número de identificação tributária 04-2718182. Sua doação não conta com benefícios fiscal ou tributário previstos pela legislação brasileira. Seu apoio financeiro ajudará nos trabalhos de World Animal Protection de proteção aos animais em todo o mundo, incluindo aqueles vítimas de desastres.

"Sem lágrimas agora," ele tentou se conter, “a Irma está indo para um bom lar."

Compartilhe

WhatsApp