Justiça suspende lei que proibia venda de foie gras em São Paulo

15 de julho de 2015

Sancionada há menos de um mês, a lei que proibia a produção e comercialização do foie gras foi suspendida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. A decisão foi anunciada na terça-feira (14).

O pedido de suspensão foi protocolado pela Associação Nacional dos Restaurantes. A gerente de programas veterinários da World Animal Protection, Rosangela Ribeiro, lamentou: “A alta gastronomia não precisa ser cruel e anti-ética”.

Típico da culinária francesa, o foie gras é feito com fígado de gansos ou patos forçados a se alimentar de forma excessiva.  Esta prática de engorda, conhecida como “gavage”, fere o bem-estar animal.

A medida original foi sancionada pelo prefeito Fernando Haddad e havia sido comemorada pelos protetores dos animais. Além do foie gras, a lei também proibia a extração e venda de pele de animais na cidade.

A sua suspensão é provisória, enquanto a justiça julga se há inconstitucionalidade. Ainda cabe recuso.

Proteste

Compartilhe esta notícia no Twitter ou Facebook e mostre seu apoio à lei que proíbe o foie gras. Não se esqueça de usar a hashtag #FoieGrasNÃO.

Atualização

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, anunciou na quarta-feira (15) que irá recorrer da decisão judicial que libera a venda de foie gras.

De acordo com o G1, o prefeito declarou: "A administração pública defende as leis sancionadas. Eu tive tempo de estudar a matéria  e julguei que a produção envolvia maus tratos e em muitos países modernos isso é incompatível com a maneira sustentável de viver".

Haddad citou como exemplo países europeus, o estado da Califórnia (Estados Unidos) e a Austrália, que já proíbem o foie gras. "Não é uma novidade no Brasil. Vários países do mundo rejeitam a produção desnecessária de alimentos que envolvam maus tratos. Me sensibilizei com a causa dos ativistas", concluiu.

“A alta gastronomia não precisa ser cruel e anti-ética”

Compartilhe

WhatsApp