Proteção Animal Mundial apoia Banquetaço contra o fim do CONSEA

07 de março de 2019

40 cidades ao redor do país realizam banquetes coletivos em protesto a uma das primeiras medidas do mandato de Jair Bolsonaro

Estivemos no Banquetaço para apoiar a reivindicação pelo Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA) e para levantar a bandeira pelo bem-estar dos animais de fazenda.

A mobilização é uma reação à Medida Provisória 870, instaurada pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 1º de janeiro, que extinguiu o CONSEA.

Em protesto, mais de 15 mil refeições preparadas com produtos da agricultura familiar e agroecológica foram distribuídas gratuitamente em 40 cidades ao redor de todo o país. Os banquetaços aconteceram simultaneamente na última quarta (27).

Banquetaço aconteceu em São Paulo (foto) e outras 40 cidades no Brasil

Em São Paulo, o ato tomou a Praça da República em defesa de uma boa alimentação para o Brasil e para o mundo.

A extinção do CONSEA representa diversos retrocessos na área de segurança alimentar e nutricional. Não só para o Brasil, mas para o mundo inteiro. E os animais de fazenda podem sentir na pele as consequências dessa medida. 

Por que o CONSEA é importante para os animais?

Uma das grandes conquistas do CONSEA foi incluir na legislação brasileira o acesso à alimentação adequada como um direito humano.

Uma alimentação adequada é aquela que é aceita culturalmente pela população. Nesse cenário, se um animal for criado e abatido com métodos cruéis para servir como alimento e essas práticas forem desaprovadas pela população, ele não pode ser considerado como um alimento adequado.

Tenda da Proteção Animal Mundial durante o Banquetaço, em São Paulo

Antibióticos e as bactérias multirresistentes

Além da questão ética, a forma como animais vivem também afeta a saúde humana.

As condições cruéis e inaceitáveis em que bilhões de animais vivem são o terreno ideal para o surgimento de infecções. E ao invés de proporcionar uma vida melhor para esses animais, com altos padrões de bem-estar, os produtores usam antibióticos para impedir ​​fiquem doentes.

O uso indiscriminado desses antibióticos em criações industriais intensivas promove o surgimento das perigosas bactérias multirresistentes. Todos os anos, cerca de 700 mil pessoas morrem por infecções resistentes a antibióticos no mundo.

Porcos criados em um sistema industrial intensivo com baixos padrões de bem-estar animal

Recentemente, encontramos bactérias multirresistentes em amostras de carne de porco vendida em algumas das principais redes de supermercados do Brasil. 

Veja a nossa pesquisa aqui.

No Brasil, o CONSEA era um órgão que vinha trabalhando justamente para mostrar que existem outras formas de produzir, distribuir e consumir alimentos, que podem assegurar uma alimentação adequada – segura, saudável e sustentável – para a população.

Categorias: 

Compartilhe

WhatsApp