Resgatamos ursa de 3 anos que era usada para entreter turistas

07 de agosto de 2018

A ursinha estava destinada a passar a vida dançando para entreter pessoas, mas agora está aos cuidados do nosso santuário no Paquistão

Uma adorável ursa negra é a nova moradora do nosso santuário associado no Paquistão. Ela chegou pesando apenas 40 kg: estava desnutrida, debilitada e era muito pequena e fraca para uma ursa da sua idade.

A nova ursinha ainda não recebeu um nome, mas em breve escolheremos um que expresse sua personalidade única. O pessoal do santuário a descreve como “uma ursa encantadora, muito alegre, amigável e feliz, mesmo diante da situação difícil que está enfrentando”.  

Quando chegou no nosso santuário, ela sofria de uma grave infecção parasitária e, como resultado, teve que ser mantida em uma pequena gaiola separada – evitando o contágio de outros ursos que já estavam na área de quarentena e para que o tratamento pudesse ser administrado com mais facilidade.

Ganhando peso e se recuperando

Os exames que deveriam ser feitos na sua entrada precisaram ser adiados até que os médicos veterinários do santuário sentissem que a ursa estava estável o suficiente para resistir à anestesia.

Nossa equipe no santuário está muito feliz em ver que ela está reagindo bem ao tratamento e que já está ganhando peso. Assim que possível, ela será transferida para uma grande sala de quarentena e continuará sendo monitorada de perto.

É provável que ainda demore um pouco até que ela esteja saudável o suficiente para ser liberada na área principal, junto com os outros ursos, mas ela terá a vida toda para desfrutar do seu novo lar – em segurança e liberdade.

Negociação intensa antecedeu o resgate

Nosso parceiro, o Bioresource Research Centre (BRC), enviou uma equipe especializada para convencer o antigo dono a libertar a ursa. Ele a usava como fonte de renda, fazendo-a se apresentar para entreter pessoas.

Depois de muitas negociações e visitas, ele finalmente concordou em entregá-la. Em troca da libertação da ursa e da assinatura de um acordo em que ele concordava em nunca mais adquirir outro urso, a equipe do BRC montou uma loja para que ele gerenciasse e tivesse uma fonte de renda alternativa. 

Muitos ursos ainda sofrem

Lutamos pelo fim dos bailes e rinhas de ursos e contra a sua exploração pela cruel e desnecessária indústria da bílis – cerca de 22.000 ursos negros asiáticos no mundo ainda são mantidos em pequenas gaiolas e dolorosamente explorados para extração da bílis.

Quanto aos bailes de ursos, recentemente conseguimos acabar com a prática no Nepal – resgatando Rangila e Sridevi, os dois últimos ursos dançarinos do país. Entretanto, não deixaremos de lutar até que todos os ursos estejam livres da crueldade ao redor do mundo.

Nossa equipe no santuário está muito feliz em ver que ela está reagindo bem ao tratamento e já ganhou peso

Compartilhe

WhatsApp