World Animal Protection denuncia a crueldade dos passeios de elefante na Ásia e na África

15 de setembro de 2015

Práticas cruéis cometidas em países asiáticos agora se espalham pelo sul da África, submetendo centenas de elefantes a uma vida de sofrimento

Um relatório da World Animal Protection, lançado nesta terça-feira (15), chama atenção para o aumento de apresentações e passeios de elefante na região sul do continente africano.

Leia o relatório completo.

Já consagrada em partes da Ásia, esta é uma atividade turística popular e lucrativa. O que muitos não sabem é que os animais são separados de suas mães, têm seus instintos suprimidos e são submetidos a um “treinamento” cruel e estressante para que passem a tolerar ser montados.

Uma vida de crueldade

Elefantes são animais extremamente inteligentes, sociáveis e sensíveis. Eles têm sistemas sociais complexos, fortes laços familiares e mostram empatia. As fêmeas vivem em manadas matriarcais com vínculos sólidos e juntas, cuidam dos filhotes umas das outras.

Para sensibilizar as pessoas, desenvolvemos uma animação sobre a vida de um elefantinho que é capturado e usado para entreter turistas. Assista:

A situação é urgente

Kate Nustedt, diretora internacional de vida silvestre na World Animal Protection, garante: “Estão acabando com a vida silvestre da África ao domesticar violentamente seus elefantes para que eles possam ser montados e façam apresentações para turistas”.

Existem ao menos 36 estabelecimentos comerciais ativos no sul da África, onde 215 elefantes são mantidos em cativeiro. Apesar do número de elefantes na natureza ter aumentado desde o começo do século XX, a caça ilegal para atender a crescente demanda do turismo e a busca por marfim podem ameaçá-los ainda mais.

“Estamos trabalhando junto ao setor turístico para acabar com atrações que não respeitam a vida silvestre. Como resultado do nosso trabalho, até o momento 20 empresas de viagem no mundo inteiro, incluindo TUI Nederland, Intrepid Travel, Apollo, Albatros Travel e World Expeditions, pararam de oferecer e promover apresentações ou passeios de elefante para seus clientes”.

Há muitos lugares no sul da África onde os turistas podem observar os elefantes em seu habitat natural. Nustedt finaliza: “estamos encorajando as pessoas a presenciá-los nesses lugares, não em atrações turísticas cruéis”.

Faça sua parte

Se essas atrações não forem impedidas urgentemente, outras centenas de elefantes africanos podem estar condenadas a uma vida cruel de confinamento, espancamentos e outros tratamentos hostis – tudo em nome do entretenimento de turistas.

Precisamos da sua ajuda. Impeça que a prática se espalhe pelo sul da África. Junte-se ao movimento global contra a exploração de animais silvestres.

“Estão acabando com a vida silvestre da África ao domesticar violentamente seus elefantes para que eles possam ser montados e façam apresentações para turistas”

Compartilhe

WhatsApp