O bem-estar animal também é o seu bem-estar

Posted on 17/12/2019 by Paola Rueda
in the Animais de fazenda blog

Por que você deveria se preocupar com a forma como os animais de fazenda são criados

O conceito do bem-estar dos animais, apesar de parecer simples, tem suas particularidades e não se baseia apenas no fato de o animal estar bem. O bem-estar animal é uma ciência, assim como a física ou a química que aprendemos na escola. Saber disso faz diferença na forma como vemos o bem-estar.

Para considerar que um animal tem, de fato, um bem-estar adequado, é preciso se basear em informações que são possíveis de medir. Nesse caso, consideram-se elementos como ambiente em que vive e a forma como é tratado (manejo), sinais fisiológicos de estresse como frequência respiratória e cardíaca, seu comportamento, entre outras.

Outro detalhe importante é que não dizemos nunca que um animal “tem mal-estar”, mas sim um baixo nível de bem-estar.

O que eu tenho a ver com o bem-estar animal?

Agora você pode estar pensando: “o que eu tenho a ver com o baixo nível de bem-estar dos animais de fazenda?”. Bom, eu posso afirmar que muito mais do que você imagina, principalmente por quê:

  1. A criação de animais com baixos níveis de bem-estar é moralmente errada, já que, há muitos anos, os animais são considerados como seres sencientes, ou seja, são capazes de sentir medo, dor, angústia e alegria.

     
  2. A criação de animais com baixos níveis de bem-estar afeta a saúde dos animais e das pessoas. Os frangos criados em ambientes industriais intensivos, geralmente superlotados, sofrem de estresse crônico porque não podem expressar seus comportamentos naturais, como se empoleirar, ciscar, explorar o ambiente e tomar banho de areia.



    Sob estresse, o organismo fica imunossuprimido e mais favorável à contaminação por bactérias. Para evitar doenças, os animais recebem antibióticos de forma preventiva. Mas o que era para ser uma solução, acaba causando outro problema: esses medicamentos matam as bactérias mais fracas e selecionam as mais fortes, que acabam se tornando multirresistentes e, assim, mais difíceis de serem combatidas. Isso é risco para a saúde desses animais e dos seres humanos.

     
  3. A criação de animais com baixos níveis de bem-estar afeta a saúde do trabalhador que cuida deles. Diversos estudos têm demonstrado que a maior interação do produtor com o animal – quando não há gaiolas e os espaços são adequados – cria uma relação mais próxima e com maior respeito.



    Por isso, ao trabalhar em sistemas que prezam por altos níveis de bem-estar, o trabalhador também se beneficia física e psicologicamente. Eu conheço muitos produtores que trabalham com sistemas com altos níveis de bem-estar e todos se orgulham muito do que fazem.

Como criar os animais com alto nível de bem-estar

Há formas sustentáveis e melhores para isso. Diminuir a densidade, promover o contato a luz solar e garantir ambientes em que os animais possam expressar seus comportamentos naturais já traz um cenário com excelentes avanços para a avicultura nacional.

Na próxima compra, fique de olho na etiqueta dos alimentos e verifique se há certificados de bem-estar animal.

Se quiser saber mais sobre o assunto, visite a página da nossa campanha de bem-estar dos frangos e saiba como você pode ajudar esses animais.