Por que o frango não sabe voar?

Publicado em 15 de setembro de 2016 por

Blog da Equipe

Os frangos são os animais mais criados no mundo todo, mas quanto realmente conhecemos (e pensamos) sobre essas aves?

Eles vivem conosco há muito tempo. Estima-se que o processo de domesticação dos frangos teve início no período neolítico, quando humanos começaram a se juntar em grupos e a desenvolver técnicas de criação, de caça e de agricultura.

Hoje, a população de frangos supera a nossa.

Ainda assim, apostamos que ao menos uma das curiosidades abaixo será novidade para você. Duvida?

Faça o teste:

Super-visão

Os frangos enxergam melhor do que nós. Eles são tetracromatas: isso significa que a retina deles contém quatro tipos de receptores para cor. Já nós somos meros tricromatas, temos apenas três tipos de receptores.

A diferença? Eles enxergam o ultravioleta e nós não.

A união faz a força

Assim como outros animais de fazenda, os frangos são gregários. Ou seja, eles vivem em grupos e precisam disso para se sentirem bem e seguros.

Sabe por que as galinhas não voam?

Antes de responder, precisamos ser justos:

Determinadas linhagens de frangos criados soltos podem até voar por curtos espaços. Para se proteger de predadores na natureza, esses animais se empoleiram em árvores ou locais mais altos ao final do dia – por isso os pequenos voos são importantes.

Há relatos de que, no início da domesticação, os frangos até conseguiam voar mais. Porém, depois que os humanos começaram a alimentar e cuidar desses animais, não houve mais necessidade e as características anatômicas da espécie foram se modificando ao longo dos anos.

Hoje em dia, os frangos não têm ossos pneumáticos (ossos ocos que auxiliam no voo e na redução do peso), nem sacos aéreos ou asas desenvolvidas para voar. Os animais da espécie Gallus domesticus vivem definitivamente no chão...

...onde passam a maior parte do dia ciscando e procurando alimentos.

Deixa o frango ciscar

Os frangos criados nas granjas têm as mesmas exigências comportamentais que seus parentes que vivem na natureza.

Alguns comportamentos são fundamentais para o bem-estar psicológico dos animais e, no caso dos frangos, isso engloba: ciscar, procurar alimento, bicar coisas diferentes, se empoleirar e se espojar (rolar na terra).

Apesar do frango de hoje em dia ser muito diferente dos frangos vistos pelos nossos avôs, precisamos exigir que todos os animais tenham condições de expressar seu comportamento natural.

Eles sentem, sim

As aves são totalmente capazes de sentir. Os frangos são animais sencientes e podem demonstrar extensa cognição. Isso já é o suficiente para buscarmos vidas melhores para eles nas fazendas.

No entanto, é comum que as pessoas sintam mais empatia por animais “próximos” de nós – como os mamíferos. Na próxima Quinta de Bem-Estar Animal, mostraremos um estudo sobre quais espécies são vistas como mais inteligentes, resultando em maior empatia das pessoas.

Fique ligado para descobrir como os frangos se saíram!

 

Todos os anos, 70 bilhões de animais em todo o mundo são criados para fornecer carne, leite, ovos e outros produtos para consumo humano. Muitos deles vivem em condições de sofrimento e estresse.

Nós não podemos dar as costas para o problema. A Proteção Animal Mundial trabalha com governos, produtores rurais e consumidores para forçar mudanças que melhoram o bem-estar e proporcionam vidas melhores para esses animais. 

Mais artigos de:

Blog da Equipe

Compartilhe

WhatsApp