Como o papagaio foi parar numa gaiola?

Publicado em 31 de maio de 2019 por

Roberto Vieto

Araras, periquitos e papagaios passam por uma jornada cruel até chegarem nas casas das pessoas

Toda semana me deparo com uma notícia sobre animais silvestres vítimas de tráfico no Brasil. Uma das mais tristes que li recentemente foi a apreensão de mais de 300 animais no Guarujá (SP).

As imagens são de partir o coração: papagaios-verdadeiros retirados dos seus bandos para “entreter” humanos atrás das grades, assim como araras, tucanos e até ararajubas; mais de 200 filhotinhos de tartarugas-tigres-d’água amontoados em uma bacia e um macaco-prego aprisionado, segurando um bichinho de pelúcia sujo como sua única companhia.

A quadrilha capturava os animais na natureza para vendê-los em todo o Brasil – inclusive pela internet.

E, afinal, de onde vem o loro?

Muita gente não imagina como milhões de animais silvestres vão parar em sites ou nos estabelecimentos onde são vendidos – no Brasil, a maioria vem do tráfico.

Isso quando eles sobrevivem...

Um estudo feito no México mostrou que de 77% a 80% dos chamados psitacídeos – como periquitos, papagaios e araras – morrem durante coleta e/ou transporte. Outras estimativas da América Latina indicam que, de 4 animais comercializados, só 1 sobrevive.

O transporte é geralmente feito em caixas de papelão ou de madeira com centenas de animais em péssimas condições: sem fluxo de ar, em áreas contaminadas com fezes e urina e alimento estragado. Em alguns casos, os animais são anestesiados, colocados dentro de malas, de potes plásticos e até de garrafas plásticas.

Animais apreendidos durante operação da Polícia Federal no Guarujá (SP) em maio de 2019. Fotos: Polícia Federal.

Nessas situações, o resultado não poderia ser diferente: milhares de animais morrem por falta de comida e água, devido a lesões ou por sufocamento.

Os métodos de captura são igualmente cruéis. Os pássaros podem ser presos em galhos com material colante (técnica chamada “visgo”), ser atraídos para redes, onde acabam emaranhados, ou para as gaiolas de campo, que são armadilhas com vários compartimentos. Já os papagaios e as araras geralmente têm seus ovos ou filhotes roubados.

Cenário difícil, não é?

Parece irresistível – eu sei, os animais brasileiros são mesmo incríveis! Mas será que precisam sofrer tanto? Milhares são ilegalmente retirados das nossas matas, todos os anos, para viverem em gaiolas. Ou morrer no trajeto.

É muito difícil garantir a procedência de um animal silvestre. A quadrilha que falei lá no começo, por exemplo, falsificava notas fiscais para que as vendas aparentassem “dentro da lei”. E num país como o Brasil, em que a natureza está bem no nosso quintal, isso é muito comum.

Se você tem vontade de ter um papagaio, um canário ou uma arara, repense. Lugar de animal silvestre é na natureza!

Mais artigos de:

Roberto Vieto

Compartilhe

WhatsApp