O que o novo “Dumbo” ensina sobre a exploração de animais silvestres?

Publicado em 17 de maio de 2019 por

João Almeida

A história do bebê elefante forçadamente separado de sua mãe ainda é a realidade cruel de milhares de animais no mundo

Dumbo foi um dos filmes marcantes da minha infância. Naquela época, a comovente história me tocou principalmente pelo bullying que o animal sofria. Com as suas grandes orelhas, o elefantinho era alvo constante de gozações por parte dos outros personagens.

Mal sabia eu que o filme voltaria aos cinemas neste ano...

Só que dessa vez a história me chamou atenção por uma outra razão: o fato de o bebê elefante ser separado de sua mãe para se tornar atração em um circo. Ainda que o filme da Disney seja ficção, o sofrimento mostrado nas telas é a realidade de milhares de filhotes ao redor do mundo.

A prática é chamada de “quebrar o espírito do elefante” – um tratamento cruel que separa bebês de suas mães e os mantém acorrentados, muitas vezes sem comida e sob maus-tratos, para forçá-los a se apresentar em shows ou carregar pessoas em suas costas.

A nova versão de Dumbo é lindíssima e muito rica, mas não deixa de lado o sofrimento de animais silvestres em cativeiro. Pelo contrário, dá destaque ao tema e faz críticas bem diretas. A única coisa que me incomodou no filme foi como retrataram o uso de cavalos para entretenimento, sem reconhecer que esses animais também sofrem maus-tratos. Mas isso é tema para um outro texto...

A mensagem geral que o filme passa é a de que animal silvestre não é entretenimento.

Aqui na Proteção Animal Mundial, nós acreditamos que o lugar dos animais silvestres é na natureza – o que é brilhantemente retratado nas cenas finais do filme. Toda exposição de elefantes a situações que o distanciam de sua condição animal, como shows em que usam roupas, é cruel. Quem já viu Dumbo certamente se lembra da triste cena em que o pequeno elefante está fantasiado de palhaço.

Espero que essa nova versão do filme ajude a revolucionar a tradição circense. Nesse contexto de proteção e respeito aos animais, não tem mais espaço para os antigos truques e o estalar dos chicotes.

O alerta contra o uso de elefantes na indústria de entretenimento vale também para aqueles tradicionais passeios em cima do animal, que parecem inofensivos, mas não são. 

Veja 9 razões para deixar esse programa fora de suas férias.

Uma boa atração turística não deve causar sofrimento e, sim, dar a oportunidade para as pessoas observarem esses animais livres. Ver um elefante sendo elefante – isso, sim, é um espetáculo!

Outro bom exemplo são os santuários, como o Elephant Haven – um paraíso no sul da França que nossa organização apoia e que, em breve, será a nova casa de elefantes resgatados de circos europeus.

Na dúvida, o nosso conselho é simples: se você ama elefantes, nunca visite atrações que ofereçam shows ou que permitam interação direta com eles. Em vez disso, observe-os em seu hábitat natural ou dê preferência a locais realmente amigáveis. Os elefantes vão agradecer!

Mais artigos de:

João Almeida

Compartilhe

WhatsApp